sábado, 19 de junho de 2010

DOIS NOVOS SONETOS

Francisco Miguel de Moura*

AMOR E DOR

Com um natural sorriso feiticeiro,
Morena, ela surgiu tão de repente.
Era a graça da noite! E o brilho quente
Do seu olhar eletrizou-me inteiro.

Daí a instante a praça era um vespeiro
De outras moças ciumando nosso flerto,
E aquilo que sonhei ficou tão perto!
Logo mais, nosso abraço e nosso cheiro.

De poucos dias foi nosso namoro,
As aves na figueira, em lindo coro,
Riam cantando a graça adolescente.

Mas, de repente, a moça vai-se embora,
Parte de madrugada...E aquela aurora,
Agora, é só saudade, inutilmente.


GLEBA DE AUSENTES


Em meus poemas moro. E a moradia
Fechada vive e quem passar nem olha:
“Vendo, troco ou alugo! É nova em folha!”
Está na placa (capa), à luz do dia.

Deixei de reformá-la. Com a feição
Natural conformei-me, eu, criador,
Tanto tempo passei buscando amor
Mas tive que guardar minha emoção.

Se vou à rua quem me presta conta
Do que viu, do que ouviu de grande monta,
Sabendo como é guarda da poesia?.

Por isto, agora, os pensamentos meus
São voltados pra os santos e ateus,
Mortos sem dor, cansados da agonia.

____________________
*Francisco Miguel de Moura, poeta brasileiro. Veja mais: http://franciscomigueldemoura.blogspot.com 
http://cirandinhapiaui.blogspot.com
especialmente sobre o poeta francês Félix Arvers e seu melhor tradutor no Brasil, o poeta Olegário Mariano, que foi Príncipe dos Poestas Brasileiros, 

2 comentários:

Umbelina disse...

Que beleza quando a gente faz o que gosta e encontra tempo para fazê-lo.
Parabéns!
Um abraço

CHIICO MIGUEL disse...

Umbelina,
Querida amiga, ontem visitei teu blog. Que coisa linda é ele, e você também, tendo a paciência de ler meus poemas. São seus.
Agradece
Francisco Miguel de Moura

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...