sexta-feira, 22 de junho de 2012

MEU OUTRO RIO


Francisco Miguel de Moura*   






Nos longes de mim, outro rio miro,
Riacho seco de ontem. E o admiro.
No verão, branco banco de  areia,
Na noite, um só mar de lua cheia.

Banho de cuia e cacimba,
Infância, dor, faltava rima.

Este rio, hen-hen, é outrou rio
Que recebe outros e meu rio.
Este aqui rio é um caudal medonho,
Rio rico de sonhos, do meu sonho.

Banho de cuia e de cacimba,
Jumento, paixão  e rima.

Meu riacho correndo para os rios
(levando  cuia e  cacimba).
Rios grandes correndo para o mar
(jumento rinchando rimas),
Nos deixando sozinhos, secos, fios.

Ai que saudade arretada, minha gente!


-------------------------------------
*Francisco Miguel de Moura, poeta brasileiro, este poema faz parte do seu quarto livro "Bar Carnaúbba", publicado pela Universidade Federal do Piaui

2 comentários:

Luiz Alfredo disse...

Belo poema
quase uma canção
uma dialética heraclitiana
que arrasta o coração
para as profundezas do ser
uma lira que não despreza a rima
mas bate nos acordes
do quase sangrar
É quando sou feliz
por ser lusófono
por ser brasiliano
e ter poetas como Francisco Carvalho
Manoel de Barros
e um poeta
que recita seus versos
num pretérito subjuntivo

Belo poeta
mui lindo.

Luiz Alfredo - poeta

Umbelina Gadelha disse...

Lindo poema.
Feliz semana.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...