domingo, 17 de fevereiro de 2013

DESESPERO

   Ao poeta Fernando Pessoa
      e  também para Janice Adja


Deixem-me respirar completamente,
Depois de sorver a vida e seus finitos,
Deixem-me vagar a passos, vulgarmente,
Por todas as cidades, vilas e distritos.

Deixo a vocês, todos vocês canalhas,
Lixo, gomas, sujos, sarros e detritos
Do que vivi, sonhei, amei perdidamente.

Não quero ver meus nomes mal escritos,
Nem palavras ouvir que sejam gritos.

Deixem-me voar, saltando e não bonito,
Vão-se todos da praia onde eu me espraio
Ouvindo a músico dos surdos e a palavra
Dos proscritos.

Grito de dor, de medo... Ou silício de paz?
Irei soltar tribalmente onde ninguém me ouça,
Pois juro que ao universo pouco ligo
Como quem é capaz de ouvir besouros
Roendo o teto, sem perder o juízo.

A eternidade inteira, inteiramente nu,
Na escuridão que é luz dos homens mansos,
Ficarei completamente ignorante (e ignorado)
do presente, do passado e do futuro.

                      Francisco Miguel de Moura – poeta brasileiro, mora em Teresina, Piauí, Brasil.
                                                                                        Em 13/03/2013

Um comentário:

Janice Adja disse...

Palmas!!
Um belo poema.
Beijos!

OBS: Meu computador irá bloquear os blogger que tem as letras de verificações. Se possível poderia retirar, ela só servem para atrapalhar.
beijos!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...