quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

A origem da palavra "doutor"


O vocábulo doutor vem do Latim docere ("ensinar"). No seu emprego primitivo, na Bíblia, designava aqueles que ensinavam a lei hebraica (os "doutores da lei"); em Lucas 1,46 (na trad. de João Ferreira de Almeida), os pais do Menino Jesus procuraram-no em Jerusalém e "o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os".

O uso de doutor como título acadêmico, no entanto, começou nas universidades medievais (Bolonha, Salamanca, Oxford, Cambridge, Sorbonne, Coimbra, Upsala) para designar os que tinham conquistado a autorização para lecionar. Esse direito se limitava, primeiro, à sua própria universidade, mas foi estendido, mais tarde, a qualquer outra (com as indefectíveis rivalidades e picuinhas que duram até hoje).

Primeiro houve os doutores em Direito ("doctores legum"), depois em Direito Canônico ("doctores decretorum") e, já no séc. XIII, em Medicina, Gramática, Lógica e Filosofia. No séc. XV, Oxford e Cambridge começaram a conferir também o doutorado em Música. Os antigos doutorados em Direito e Medicina certamente explicam o uso popular, tanto no Brasil como em Portugal, do tratamento de doutor para os médicos e advogados. Outro resquício medieval é o título de Doutor "Honoris Causa" ("por motivo honorífico"), concedido a qualquer personalidade que uma determinada universidade queira homenagear, tenha ou não formação acadêmica.

Independentemente do sentido acadêmico (que implica a defesa de uma tese de doutoramento), uma indiscutível aura de respeito e deferência cerca o vocábulo doutor, como podemos ver nos reflexos que deixa no vocábulo douto, que indica o erudito, o sábio, o profundo especialista em determinada área. Por outro lado, o pedantismo e a atitude aristocrática de alguns doutores explica também por que chamamos de "tom doutoral" aquele tom sentencioso, muitas vezes pedante, de quem pensa que está dando lições de sabedoria.

Portanto, quando me dirijo a um médico ou a um advogado, não posso dizer "O que o senhor pensa disso, médico Fulano?", ou "Gostaríamos que participasse das negociações, advogado Beltrano". Nestes casos, o vocábulo doutor, usado mais como forma de tratamento, passa a ter um valor inestimável.

Autor: Cláudio Moreno
www.sualingua.com.br

3 comentários:

indebarros disse...

Muito interessante o texto sobre a origem da palavra doutor. No entanto o texto nao deixa claro o porque da necessida de se usar o doutor como forma de tratamento para medicos e advogados que, no caso de nao haverem defendido uma tese doutoral, nao possuem tal titulo.

Sarita disse...

Explicando: o "doutor" usado ao dirigir-se a um médico tem sua origem na palavra "docere" (docêre), que do latim significa "fazer ensinar". Isto porque o médico formado está apto a transmitir os ensinamentos da ciência médica tanto à população quanto àqueles que estão aprendendo o conhecimento médico (estudantes de medicina).

Wilson Freire disse...

Interessante a matéria mas, o termo Doutor não é pronome de tratamento e, SIM, titulo acadêmico. Se partissemos do ponto que Doutor é quem esta apto a ensinar todos os babcharéis estariam aptos a fazê-lo.
Os advogados, são um caso até CôMICO: muitos alegam ser Doutores por excelência, já que, SEGUNDO eles, D Pedro atribui-lhes o titulo honorifico de Doutor, o que só mostra o quanto ALGUNS advogados são capazes de manipular a lei descaradamente...carater é algo em falta em muitos profissionais. AFIRMO isso com base no decreto imperial que tais advogados usam para justificar seu "SUPOSTO titulo" a lei de criação dos primeiros cursos superiores no Brasil p justificar o titulo de Doutor que usam, PRECISAM manipular a lei, ja que a mesma em nenhum momento diz que quaisquer bacharéis mereçam ser tratados desse modo, mesmo que de forma honorifica : http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_63/Lei_1827.htm
Podem ler o decreto e, EM MOMENTO algum nosso antigo Imperador atribuiu titulo a quem não merecesse, a lei de D Pedroé CLARA: quem cursa bacharelado em Direito ou quaiquer curso é BACHAREL e, se quer ser chamado de doutor, FAÇA DOUTORADO!
Não satisfeitos, ALGUNS advogados
apelam também, a lei que criou o dia do advogado, na comemoração do centenário de criação dos cursos superiores, outra grande PIADA, porque qualquer leigo que leia tal lei NAO VERÁ NADA que dê direito a quem quer que seja ...
Quer ser chamado de Doutor... FAÇA DOUTORADO !

Se ALGUNS advogados são capazes de espalhar a lei de D Pedro I, com o seguinte texto:
A Lei do Império de 11 de agosto de 1827: ” cria dois cursos de Ciências Jurídicas e Sociais; introduz regulamento, estatuto para o curso jurídico; dispõe sobre o título (grau) de doutor para o advogado” IMAGINEM do que estes individuos são capazes ???
Esteé o trecho CORRETO da lei acima :
Art. 9.º - Os que freqüentarem os cinco annos de qualquer dos Cursos, com approvação, conseguirão o gráo de Bachareis formados. Haverá tambem o grào de Doutor, que será conferido áquelles que se habilitarem som os requisitos que se especificarem nos Estatutos, que devem formar-se, e sò os que o obtiverem, poderão ser escolhidos para Lentes.
[ Os lentes são os professores, TAÍ quem são os doutores de verdade!!!!]

E agora, dotôs, vão viver de enganar quem ? Terão de "arrumar" outras leis para manipular, rsrsrsrsrss...

TALVEZ até por isso politicos sejam o que são e façam DIREITO!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...